AUTISMO PROFISSAO REPORTER 19/06/2019

AUTISMO PROFISSAO REPORTER 19/06/2019



[Música] ele tem autismo grave e ela 15 anos vive acorrentado a 8 e 14 anos que antes dos dois a família descobriu que ele era um otimista com o mercado a 59 crenças têm algum tipo de transtorno relacionado ao autismo esse é o número mais recente divulgado pelo centro de controle de doenças dos estados unidos e aqui no brasil o profissão repórter acompanha a dificuldade das famílias e das escolas para tratar esses autistas [Música] [Aplausos] função aqui é fictício israel diz o que pensa é então se bate bate no outro e não é assim existem scrolls de autismo é o henrique está no no ótimo mec e foi quando desde que cheguei aqui eu fiquei muito alegre é que a mãe toma tripla dele no estado não conseguiu e aí ela encontrou a que os pais 600 é e não é eu estava virada pra lusa explicando alguma coisa escrever quando eu virava e ele estava foi acionada era ficar com ele na sala também ficou na sala você sabe o que fazer eu quem não que às vezes eu fico desesperada é o tratamento do cauê com o canabidiol começou há três anos caso extraído da maconha cbd é calma e os bastidores da notícia os desafios da reportagem agora do profissão repórter [Música] o nosso amigo aqui [Aplausos] o acordo estipula que a concentração de uma caminhada que vai ser daqui a pouco uma caminhada para a conscientização do autismo tem bastante gente hoje se sabe que são muitos os transtornos que compõem o espectro do autismo mas todos eles são distúrbios que comprometem o desenvolvimento cerebral na área da comunicação e da interação social manifestantes tomou paulista meu objetivo aqui encontrar histórias de crianças autistas matriculadas no ensino regular e inclusão aqui é fictício porque as crianças não têm atenção necessária você teria que ter um preparo maior os profissionais e nem culpo eles o corpo sistema ele está na escola também é tem a lei eles têm que obedecer à lei a lei de 2012 e garante aos autistas com acesso à educação e mais os que estiverem matriculados no ensino regular e comprovarem a necessidade tem direito a um acompanhante especializado ele tem ele tem um cuidador vai voltar a viver em uma turma eles três princípios da guerra ela são todos da mesma escola de criatividade ea gente fica feliz só em si vamos leitura pra ele se sociabilizar e muito bem a gente depende de bons profissionais ainda temos que caminhar bastante em termos do sistema né da rede tem os recursos ainda são escassos e eu de que a nossa escola está um passo na frente [Música] tudo bem [Aplausos] ae a chance de conhecer uma caminhada caminho nem crise lento mel anulada mas ganhou o título ou acha em conta a professora como é que a luz na sala luiza tranquilo ele inteira anjo as atividades ele tem uma fixação por acertar no caso dele não seria necessário um estagiário vamos encontrar agora o enzo 11 para aluno da escola que estava na caminhada é nossa primeira vez que a gente vê na caminhada até o bono falou assim mas o ruim aí ele não souto estão já a mãe ele mesmo falou que é o tse nem parece a china está é uma expressão que acontece que a gente ouve muito né que as mães altista batalhão para que isso não seja dito porque é um pouco ofensivo no sentido de que não é porque não tem aquele estereótipo que quando se fala em altíssimo que pensa ah então se bate bate no outro não olha não tem contato interage não tem empatia e não é assim existem os graus de autismo é o henrique está no último é futebol na verdade foi o que desenvolveu ele não sinta no céu e pelo vinho o trecho minha mãe que está assistindo agora e foi a época que como ele só a fé está treinando em casa que é o minha mãe épocas taxa de lixo todo mundo está assistindo quando eu cheguei aqui eu fiquei muito alegre gosto muito dessa escola é que a mãe traz natalie na trajetória uma dificuldade assim mesmo ela tentou matrícula dele no estado não conseguiu aí ela encontrou aqui é porque venceu o diagnóstico de autismo é que ele tem que ser o mais grave é que é severo andré não faz hoje ele está com 30 anos desde que foi diagnosticado há mais de 25 anos nunca passou por um tratamento específico para o autismo e não freqüentou a escola por falta de um acompanhante especializado e não agredi ninguém só grid ele mesmo ele está com o braço com uma corrente de 15 para 16 anos ele começou a se debater muito a orelha dele é deformada editor de vídeo e bater boca dele que ele morreu né batia alessandra mais países da força outra o ministério público a justiça ea equipe de saúde de fernandópolis sabem que marisa mantém o filho acorrentado ela já internou andré duas vezes na última ele passou mais três meses numa clínica psiquiátrica as lojas do mesmo jeito né ele ficava também amarrado e só me toma dois de manhã e dois valores em grande psicólogo e calmantes andré toma 12 comprimidos por dia receitados por médicos da prefeitura que vem até a casa dele uma vez por mês a qualcomm onde está desse jeito há mais de dez anos mariza parou de trabalhar para cuidar do filho a família vive com um salário mínimo que recebe do inss é o benefício de prestação continuada bpc pago a pessoas com deficiência a fazer papá vou fazer papel assim que mariza vai para a cozinha andré consegue resultado é cercada de gelo e não como fã do congresso é durante mais de 40 minutos acompanhamos dezenas de autores foi andré entende um pouco entende sim né nem me cheira muito e me beija e abraça a grande reportagem acho que surgiu é uma questão muito importante que é da exposição do andré imagens muito forte né você tem razão tão impressionada muito triste ficam pensando nessa mãe que ela está vivendo ali tentando ajudar o filho eu sou a favor da exposição porque a mãe que mais poderia ficar preocupada com uma exposição dessa ela qué isso entende que isso é bom na tentativa de ajudar o filho além dessa desse esforço gigantesco dela né é de sofrer muito meu filho assim tem uma cena acha que ajuda a convencer de que é importante expor essa cena como você mostrou o que ele pede ele quer isso os dois sabem que é a única maneira que eles têm de viver dorme porque ele sabe que vai se bater vai se mover onde a mão pra ele mesmo pede para a mãe volta então acho que é legal essa reportagem para alertar quem tem a obrigação de cuidar de dar essa assistência para tentar essa situação e certamente atingir quem é mais pobre né as pessoas que não têm nenhum tipo de recursos é muito fácil criticar esse tipo de coisa que faz coloque no lugar dessa mãe que o filho extremamente agitado muito comprometido e que não tem acesso a nenhum outro tipo de tratamento algumas vezes por pior que pareça essa conduta é a única que essa família tem quem tem autismo severo geralmente não fala têm deficiência intelectual grave e é socialmente isolado já no caso de grau moderado a pessoa pode até falar mas tem dificuldade de comunicação e de compreensão além de pouca interação social nos pacientes de autismo leve a dificuldade de comunicação e interação social são menores o tratamento indicado para otimismo o único tratamento que tenha eficácia científica ou seja têm comprovação só as terapias chamadas comportamentais que você é um trabalho feito por psicólogos que tentam modificar o comportamento da criança no sentido de diminuir os comportamentos inadequados e melhorar os adequados o ideal é você começar o tratamento antes dos três anos mas que em qualquer momento você pode melhorar algumas condições essa pessoa não há caso perdido foi bruno tudo bem natália bruno fernando também tem 30 anos e assim como andré foi diagnosticado com autismo severo por volta dos 4 anos de idade mas desde os cinco frequências a fundação da grande são paulo que só tem de autistas eles chegam de manhã e ele começa a montar uma atividade que eles vão fazer desde a chegada até demora eles allen não ele não sabe ler e quantifica as imagens porque ele não tá uma frase pra mim eu quero água que o brasil vai fazer agora que já está a sair e limpeza do colchão olha aqui pra mim vai limpar o chão tá bom ele sem trabalho eles em atividade eles ficam transtornadas se você tem um monte de coisa pra fazer então acho que a sua vida tem sentido então precisa dar sentido à vida desses meninos por que vocês ensinam o bruno alencar um colchão seria como você e eu dormi e arrumar sua cama alma aquilo que você trocou eu quero água muito bem a bola vem [Música] estou acompanhando crianças com autismo matriculadas em escolas regulares de são paulo com licença olá o autismo é quatro vezes mais freqüente entre os meninos também olha essa câmera enorme kevin tem autismo severo e assim como todos os alunos com necessidades especiais ele frequenta esta sala de recursos no contra turno foi com esse vídeo que ele começou a falar mais e buscar o contato visual que era um comportamento que ele não tinha na água regular ele tem alguém que acompanha ele agora ele está com uma moça no que a prefeitura tem são estagiários estudantes de pedagogia também precisando da orientação dos professores acabam falando com ela a gente tem particular de uma forma que seja semanal ou quinzenal que eu fique em um horário com elas é o suficiente não é mas no momento é de se é o recurso dessa forma que a prefeitura dispõe não tem pra todos na manhã seguinte voltamos à escola para acompanhar uma aula regular do kevin ao ano e é estagiária que há um mês a companhia opere na sala ele ficou quatro meses sem acompanhamento nem vão tentar um bom resultado é comum ele fica nada feliz em também raramente melhor tudo bem acho que os alunos de estranho não eu acho que eu estou acostumado por exemplo quando a menina voltava ele como funcionava assim às vezes eu estava virada para lousa e explicando alguma coisa ou escrevendo quando eu virava e ele estava caído funcionando e termina no próximo se eu chegar ele não tinha tempo teve vez dele chegar ao timão a cabeça e cortar aqui se cortado porque bateu numa pedra bateu a nuca acompanhou a jogada que acha que uma professora dá conta de 30 alunos sala e um especial no meio é muito difícil por professores essa criação do microondas licença passa a contar a partir da sala gaga já que no cantinho tá nicolas também autista severo mas está acompanhado há mais tempo faz um ano e meio que a estagiária andré está com ele quando eu cheguei ele não fazer isso ele não tinha pinça ele não falava bastante ele não foi a vaga então assim ele avançou bastante ele era mais nervoso ele não ficava sentado dinho no lugar dele porque o profissional na conta que antes ele não tinha ninguém para acompanhá-lo que ó bola [Música] nessa escola local e isto em horário normal junto com as outras crianças quando caiu e veio para o colégio foi um grande desafio porque caiu e tinha uma super hiper sensibilidade auditiva simor dia que mais teve barulho é exatamente a oi tem 14 anos e antes dos dois a família descobriu que ele era autista e optou por só tratá-lo com terapias comportamentais os pais nunca aceitaram dar remédios para conter as crises basicamente o efeito que ele causa nos autistas é um efeito calmante é um estado acalmado um pouco de tardio letárgico e tem várias conseqüências de longo prazo que não são legais o efeito é muito mais pra protesta pará de incomodar do que pra gente realmente o que vai ser melhor para o desenvolvimento dele há três anos caiu e começou um tratamento alternativo o que mudou desde que com ele posso tomar medicação à base de cannabis eo e consegue se concentrar até inclusive a relação com os colegas melhorou bastante a gente percebe mais tranquila ao joão vitor aqui ó qual é o canabidiol o cbd é um dos princípios ativos da planta cannabis a maconha em 2015 a anvisa liberou o uso terapêutico do cbd que passou a fazer parte da lista de substâncias controladas está tudo muito organizado os brinquedos quantidade de brinquedos e de personagem desenho animado com o tratamento do cauê com o canabidiol começou há três anos a família tem autorização da anvisa para importar legalmente o remédio entra na puberdade e aí que veio a questão do cbd as demais também para acalmar ele o remédio o remédio dele com comprimidos é só olhar a voz de clara ao todo em inglês nem tornar o medicamento comprado nos estados unidos custa-me 700 reais por mês a cápsula hoje maconha extraído da maconha acho estranho é que há um consenso ação mais forte num ele toma três é o dia uma de manhã o mandante gp escola e uma noite também evita de ter conjunção carnal e já teve alguns episódios compulsivos e é muito desesperador ao tomar remédio [Música] quando ele está nervoso quando ele tem crises ele bate a cabeça no chão mas continua apesar da medicação lentos que ele tem mas muito menos agora na seção de musicoterapia que ele frequenta uma vez por semana nós testemunhamos pela primeira vez uma dessas crises do cauê na cabeça é conectar musical esse problema da miséria nos minha vida dele ele fica aflita e coçando as orelhas bacana a liberar um pouco nervosa porque não sou um pouco a tensão é a seguinte é que se acha que você mesmo comentou o pessoal da escola que barulhos às vezes deixam um pouco estressado e que agora só mas ele fica tranquilo pois é às vezes fica mas acho que quando entra este tipo de percussão mais alta não é legal nessa seção acho que foi demais pra cá e estão indo embora e deixar um pouco eles também vai começar agora lá da tarde sempre acompanhei thiago sempre sempre o topo é ao contrário do que possa parecer maria não é estagiária de pedagogia mas a senhora fica com ele na sala também fica na sala mas eu não venho todos os dias bem feito pra mim ela é mãe do thiago e vem pra escola com o filho porque não há um estagiário para acompanhá lo thiago tem 13 anos e esta é uma sala do 7º ano [Música] você sabe o que fazer e de que maneira você pode ajudá lo na sala não é o que não quer dizer que eu fico desesperada é porque tinha sempre a noção de que eu possa ajudar o meu filho né mãe vai ter que sair agora você vai ficar só o senhor que vocês tentam conversar com ele ou é difícil de vez em quando é bem difícil e infelizmente cocho é já específico de disciplina eu não tenho uma base formativa para lidar com isso vão fazer silêncio para a chamada ryan assim como thiago renan não tem um estagiário para acompanhá lo e não para acertado não queria ter um potencial que se não tiver alguém que ajude a gente não consegue explorar esse potencial inteiro está de fato houve dolo na água de acordo com a professora uma equipe da prefeitura veio no começo de maio avaliar se ia precisavam de uma estagiária fizeram várias perguntas relacionadas à se ele foge se ele é bate ele não tem esses comportamentos então aí aí não veio disseram que não têm uma pessoa para ficar com ele não segundo a prefeitura esse senhor de 3.200 alunos com algum grau de autismo na rede municipal de são paulo e 2.700 estagiários contratados secretário na escola onde a gente gravou nem todos os alunos autistas têm um acompanhante em sala e muitos deles precisam precisariam de sua acompanhante e esse é um direito deles não é garantido por lei e por que isso não acontece há correntes que acreditam que esta é a melhor solução outras correntes defendem que o apoio deve estar ao lado do professor para que o aluno possa ter autonomia o que é muito comum que o pai ache que ele precisa entender que o pai não é assim não é 11 uma nota que ele está exagerando entende nada disso é porque ele acredita que é que seria mais importante seria mais válido para o filho é que de fato há bons alguns alunos não têm condições e casos que a gente reconhece em condição nenhuma de de ficarem ali na sala de aula sem nenhum apoio o grande desafio é exatamente enxergar quais são os casos mais complexos de maior severidade para que a gente possa atendê lo conforme a sua necessidade a prefeitura diz que pretende contratar mais 200 estagiários mas ainda não deu um prazo já falaram pra mim que eu sou muito protetora que eu não sou torriani pensou para ele soltar com convocado porque eu vou soltar uma criança que não tem maldade não tem malícia um bebê grande é porque envolve dinheiro se fosse gratuita já tô ele era luizão não tem que pagar no méxico isso tudo com eles não quero hoje não virar uma tag bruna um dos 31 alunos dessa fundação especializada no tratamento de autistas na grande são paulo agora então não vai comer vamos à parte do tratamento de bruno é paga pela prefeitura de cotia ele a maioria dos alunos são bolsas o custo mensal é de 4.600 reais porque porque isso inclui uma mão de obra especializada e é são muitos profissionais para poucos alunos 31 alunos e 47 funcionários pedindo agora o computador ele vai assistir vídeo eu quero o computador vamos pegar eu coloco o endereço da casa dele ele vai ver a rua da casa dele ele gosta se você fumar de frente você vai perceber que ele está só então sim porque ele tá vendo a casa dele tudo bem gostou joga então já final da parte que o bruno vai pra casa um monitor vai acompanhá lo ea gente vai junto para ver como é a rotina dele em casa aí o bruno mora com a mãe o padrasto ea avó que o criou desde bebê e já é oferecido com a senhora ficou o rabugento e marketing hoje martinho ali porque a gente não estava mais conseguindo contêiner de treinar ninguém era uma janela que detonam toda sabe um dia muito muito muito a gente colocava o travesseiro sob a cabeça na parede esfera todos os dias é a vez era a noite toda a gente usava camisa de força o amarrava ele com uma corda tanto que eu peguei trauma ficar com ele sozinha a escola diferencia demais porque coisas que a gente não consegue entrar no mundo dele por aí a escola entrou com um psicólogo pedagogo conseguimos chegar a esse resultado dele está basicamente social o bruno toma todos os dias muitos psicótico e um calmante para controlar a ansiedade o banho com uma coisa que foi ensinada lá bruno terminou em banho vai preparar a calma e se eu jogar domingo ele faz tudo sozinho na área totalmente independente ela falou assim vai embora vai dando sinais eu acho que a bola na nossa volta fernandópolis no interior de são paulo encontramos marisa a mãe de andré uma das raras vezes que sai de casa enquanto ela vai ao mercado o vizinho fica de olho em andré ele tem autismo grave e há 11 anos vive acorrentado e cheguei só ó comer sempre quando os médicos falaram que o seu filho autista e listaram alguma orientação como que você pode cuidar de um filho autista não passou do movimento a mostra como aí a minha visita anterior a marisa me mostrou os 12 comprimidos que andré toma por dia aquele tom de manhã à luz dona mariza vai dar banho no andré agora [Música] boiando e jogou bem quanto os ganhos desse uma retoma podia automóvel é o fax word importar medicamentos à base de maconha pode custar até quase dois mil reais por mês o que obviamente muito distante da realidade de muitas famílias brasileiras não tiver conhecer uma família que tem um filho com autismo que depende de uma associação aqui em joão pessoa para conseguir o medicamento está dormindo ainda depois que ele começou a fazer o tratamento com o cannabis ele tá bem melhor porque ele não me passava dois três dias sem dormir três dias sem dormir com certeza e ainda batia que acordou ontem 8 anos é o caçula dos cinco filhos de eliane quando ele tinha quatro a família começou a notar atrasos no desenvolvimento dele o caso dele é moderado mas mesmo assim tinha muita agressão e se diz aqui é o seu braço cheio de arranhão com marcas de sangue toda roxa é longe daqui ele morreu há seis meses lua começou o tratamento com cannabis ainda proibida que é importante e aqui eles a composição fita canabinóides tem cbd que um dos componentes e 0,5 por cento de thc ou seja aqui nesse óleo tem poucos chega a ser uma discussão entre os médicos o thc tetrahidrocanabinol é a substância da maconha que pode provocar efeitos psicotrópicos a anvisa só admite o uso do thc em concentrações controlados vocês não pagam nada por esse medicamento não eu não teria com o óleo que lula recebe é produzido por essa associação aqui de joão pessoa seguem sendo a única associação contratação para produzir e distribuir uma comissão infelizmente nem julho a gente quer que outras associações também é nasçam e cresçam não estão prontas assim a acolher agora na lua cheia quando os pacientes autistas vocês a tendência 140 mais ou menos nos últimos três anos o número de médicos que receitam remédios à base de cannabis no brasil quase triplicou há seis anos esse médico de belo horizonte prescreve o cbd e o thc para diversos problemas de saúde inclusive para controlar crises em autistas porque é receitar maconha é para os pacientes com autismo olha a existem vários motivos que me levaram inicialmente a fazer essa aposta mas hoje eu recebi porque eu tenho umas centenas de pacientes atendidos no brasil todo e mais de 200 registros de familiares de pacientes mostrando os resultados comparado com os medicamentos é padrão hoje utilizados pelo autismo os resultados são em geral melhores em 72 por cento e oitenta e cinco por cento de melhora e não cola [Música] se você for levantar os trabalhos que existe na literatura é em relação à última edição pouquíssimos de alguns autores específicos que são relatos de caso é o tipo de trabalho com menor índice de confiabilidade força no estudo publicado na revista nature no ano passado cientistas israelenses avaliar 1 188 autistas que usaram medicamentos à base de maconha por dois anos 30% relatar uma melhora significativa outros 54% uma moderada e 15% não sentiram a diferença após o tratamento uma resposta não tenho ainda que os gestores se eu faço algumas críticas que eu não posso falar que tem resposta a minha experiência tem que ser replicada por diversos pesquisadores em diferentes partes sobre situações diferentes luan é atendido em uma associação que recebe outras 30 crianças e rolou a vez da escola direto quantas de que estão recebendo uma implementação base canal 18 está entrevistando muitos médicos e pesquisadores que estão estudando isso e tem estudos vários mas não tem esse estudo de longo prazo isso causa um tipo de pé atrás quando foi inicialmente até que sim mas depois que a gente começou a ver as crianças melhorando então a gente viu que a gente tem que tentar o próximo bloco localizamos uma dessas associações que produzem óleo de cannabis de forma clandestina todo dia a gente acorda com menos inscritos e o que dizem os profissionais que atendem andré a gente até do brasil né mas funcionários aqui tão empacotando os olhos ea gente consegue ver que só com os silos do disco rígido é que tem rio de janeiro brasília a abrasce na paraíba é a única que tem autorização da justiça para plantar maconha medicinal daqui a dois dias estará disponível no site da anvisa uma consulta pública para discutir o registro de produtos e o cultivo da maconha para fins medicinais localizamos uma associação que produz óleo de cannabis de forma clandestina eles permitiram que nós mostraremos a produção mas sem identificar o local e quem trabalha aqui a fumar maconha ela vem fim da plantação a gente compra ela através do vereador locais que para o interior do estado e aí vai triturar essa e o que você pensa dessa situação tendo que usar traficante toda a gente acorda com medo de ser presos são quantos pacientes que dependem do óleo produzido aqui hoje a gente tem no meio de quase 100 famílias porém para ser prefeito é mais eficaz do texto eu também tô vendo que apesar do esforço de vocês aqui uma produção muito artesanal está numa cozinha artesanal a panela elétrica de arroz por este motivo a gente tem não pode garantir um padrão quando você tá falando olha artesanal a gente não sabe do que está falando eu acho que isso mostra exatamente uma coisa que as pessoas querem negar que a falta de importância que se dá esses quadros porque com saúde mental eu posso tentar qualquer negócio olha eu acredito que hoje dos meus pacientes menos de 10% faz duas coisas legais é muito mais barato muito mais acessível mas muito vai ser controle também tem uma planta é um fitoterápico é de baixa toxicidade infelizmente a gente pode hoje chamam um forma de produzir a maior parte por causa da questão legal tudo o que impede a gente de fazer algo realmente profissional é e até foi uma vez por mês profissionais do serviço de saúde mental da prefeitura de fernandópolis fazem uma visita à casa do andré e da dona marisa eu consegui autorização para acompanhar uma delas profissionais do cap's a equipe tem uma médica como especialização em saúde mental uma psicóloga e uma enfermeira andré é um pouco menos de dois anos que o chumbinho o capsi ram e ele tem um diagnóstico de autismo é o autismo grave né a autora atividade dele é muito grande ea gente tenta controlar os sintomas mas o andré é mais calmo hoje marca a cada 15 dias um enfermeiro em aplicar uma injeção para controlar a agitação e agressividade de andré além dos 12 comprimidos de calmantes e antipsicóticos que andré toma todos os dias é o caso da conversa em rede sobre um caso com a promotoria a situação do andré disse que é uma falta mas nem isso não é uma fórmula mas a gente não consegue ter uma outra alternativa as visitas normalmente não passam de 15 minutos servem para avaliar como estão as condições básicas de saúde e do andré ele é medicado me disse que eu acredito que pelo próprio padre do android não conseguir dizer sim a questão também da dificuldade que tem que ela revela eu publico que a gente atende pela demanda então hoje eu não conseguiria trazer um profissional aqui para atender só o andré entendeu as atividades que a gente oferece é lá na unidade ea gente tem que considerar que a época que ele foi diagnosticado por aí que se sabia e coco se fazia então é nem sempre a gente pode falar que houve uma negligência ele tinha uma agressividade grande que o convívio com outras crianças seja difícil a gente retoma frança em são paulo eles tratam autista severo usado como andré foi lá que a gente conheceu bruni que tem a mesma idade eo histórico de agressividade semelhante ao do andré a gente usava tanto as ruas o amarrava ele com uma corda por que é tão difícil de encontrar uma instituição que faça esse trabalho eu acho que é principalmente por causa do custo isso não interessa ao poder público o atendimento dessas pessoas principalmente o autista severo há mais ou menos dois meses estou tentando entrar em contato com a prefeitura de fernandópolis para saber o que pode ser feito pelo andré maggi como gil foi do que é possível outra pela legislação é se o município não tem recursos para oferecer um tratamento multidisciplinar de qualidade completo a rede pública deveria pagar por esse serviço porque isso não foi feito eu acho que o título foi provocar tom e infelizmente nós não conseguimos oferecer 100% população de todo o processo terapêutico de ponta que existe porque hoje existe uma escola de tecnologia e os outros nós essa luta as necessidades da população a gente não viver é a gente ver jetta né é o argumento vamos te viu a diferença que é tratado ou não ea alegria deles não saber que eles são produtivos então tudo isso eu acho que mudaria a vida não só tem sido um menino autista mas como a próprio filho

43 thoughts on “AUTISMO PROFISSAO REPORTER 19/06/2019

  1. Tem grandes profissionais no brasil ,mas precisa de dinheiro !!!! Espero que toque o coração de algum profissional !!!!
    Que possa ajudar o André

  2. Meu filho Felipe de 5 anos não fala muito bem, mas já melhorou bastante!
    Ele começou a ir pra escola e lá ele agride os colegas, ele grita e não faz nenhuma tarefa na escola ele fica em baixo da mesa e se incomoda com o barulho de pessoas no Recreio e educação física, todos os dias ele se comporta assim.
    Ele esta com acompanhamento com a pisicologa para ver o que pode ser!

  3. Essa reportagem é forte, mas necessária para conscientização das pessoas. O autismo é um desafio para todos!

  4. realmente para o poder público não interessa o atendimento a pessoas com essas especialidades.
    meu filho é autista e graças a deus vem evoluindo bastante dia a pós dia mas tem muito o que lutarmos pelos nossas crianças com autismo e as demais especialidades para que os que se dizem normais possas tratar melhor e se conscientizar que são pessoas com extremo grau de sabedoria tanto quanto cada um de nós

  5. Como faço para entrar em contato com a mãe do André. Para poder enviar uma ajuda financeira para a família. Pois com certeza devem precisar muito. Estou disposto ajudar. Ele é o que está acorrentado. ?

  6. Eu tenho uma autista leve.mas vou pedir a DEUS que proteja o andre ea mãe chorei muito.nos que dependemos da rede publica.estams ferrados.so DEUS por nós. 😭

  7. Profissionais totalmente despreparados, e esse secretário da saúde homem sem coração. Muito triste e revoltante ver o André nessas condições , tenho um filho autista e só nos mães sabemos a dor que sentimos é a revolta por ver tanto descaso governo de merda . Espero que uma alma de bom coração possa fazer algo por essa família . E muito sofrimento para o André e a mãezinha dele .Deus olhe por essa família.😭😭

  8. Que descaso do secretário de saúde, sistema de merda !!!! Por isso nós mães temos que lutar pelo nossos filhos, tem muitos Andrés espalhados por aí; é muito triste vê que o estado está pouco se lixando 🙁

  9. Revoltante !!!
    O que chama a atenção e o DESINTERESSE do Poder Público, afinal "falta" $ para prestar auxílio e tratamento; mas não há "falta" de $ , quando eles (secretários, prefeitos e a corja política) aprovam aumento de salário, auxílios terno, gasolina, verba de gabinete ….
    Revoltante

  10. Meu Deus e muito triste essas cenas ,eu tenho um filho que tem autismo severo e difícil e Deus que nós dá forças pra suportar tanta tribulações ,preconceitos 🙏

  11. A verdade e essa um autista dentro de casa cabooouuuuuçe o sosego e uma vida triste terrivel sinto na pele pq tenho uma autista em casa já desejei ate à morte nada de anjo azul e um sofrimento. Não desejo pra ninguém

  12. Eu fico chocada com o descaso das autoridades brasileiras pra esse assunto, chega dar ódio de saber que tanto dinheiro foi roubado, desviado por esses ladroes enquanto os cidadãos de bem que precisam colocar os filhos numa escola especializada eles falam que não tem dinheiro nem estrutura pra tal.
    Eu fico chocada com tamanho descaso. 😪😪

  13. Eu sei como é essa situação minha filha é autista não consegui cuidado para ela na escola e o tratamento é muito difícil.

  14. Sou estagiária da rede e sei o quanto é difícil. Pais, existe uma lei que protege seus filhos. É difícil, mas não desistam!! Sistema podre 😪😪

  15. Há 7 meses meu filho foi diagnosticado com autismo de leve a moderado, mas estolou aqui com o coração apertado pelo caso do André!

  16. Estes médicos só sabem dar estes malditos medicamentos pros nossos filhos !! Desde melhorar só piora , que Deus venha ter misericórdia de nois .

  17. Senhor secretário queria ver se fosse algum familiar seu se falaria a mesma coisa VC acha que fez tudo que pode seu sinico.

  18. Excelente reportagem! Tenho uma filha autista leve , e sei o quanto é difícil conseguir atendimento multidisciplinar pra ela!🌎👥💙

  19. Esse programa falou de um tema que é raramente falado,que é o do Autismo.
    Acho muito triste pacientes como o André,que precisa de uma ajuda e não possui,assim como o de outros profissionais que as vezes,não olham pra isso,mas tenho certeza que esse programa fez muitas pessoas pensarem muito nesse assunto

  20. Meu Deus que tristeza ver esse moço acorrentado, imagino o desespero da mãe, poxa gostaria de ver especialistas ajudando o André, que dor no coração de ver isso.

  21. Meu filho é autista leve, comecei cedo o tratamento, com ,1 ano e 8 meses, graças a Deus ele se desenvolve bem. Infelizmente convivo com pessoas que acham q meu filho é mal criado, danado , sendo que ele é autista e uma vez por outras ouço a seguinte frase: ele não parece ser autista . Pessoas tem q procurar saber sobre o autismo antes de falarem besteiras.

  22. Tenho um filho autista , ele é um amor hoje mas não foi fácil . Mas Deus me ajudou e eu consegui . Que todas as mães tenham tratamento especializado para cada filho , Deus abençoe todas as mães especiais

  23. O THC é a substância da maconha que causa o “barato”. Além de efeito psicotrópico causa dependência. Não deveria ser administrado para autistas… esse médico de camisa vermelha é muito irresponsável! Ele diz “é uma planta, é um fitoterápico de baixa toxicidade “. Pelo amor de Deus! Essas pessoas não tem a menor ideia de quantos % de CDB e THC estão administrando para seus filhos. Aliás não sabem nem se é cannabis.

  24. Tadinha, a mãe do André tacando açúcar no rapaz que já é agitado… a dieta do autista precisa ser diferenciada.

  25. No estado e precário , a prefeitura ainda ajuda . não sei como seria.hoje.meu filho tem autismo leve sei como é…..😢

  26. Essa reportagem mostra o descaso do poder público com relação as pessoas com necessidades especiais como o autismo, ficou evidente que o tratamento é fundamental pra que eles tenham o mínimo de qualidade de vida! E o governo simplesmente ignora isso, faz vista grossa, e desumano a forma como o André vive, é evidente que não é culpa da mãe , mas o simples fato de se olhar e tentar tratar os comportamentos dele já melhoraria muito a vida dele e da mãe ! Mas o que a gente vê é descaso e falta de interesse com uma vida!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *